Infoteca

ASTRONOMIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

por Renato da Silva Oliveira   Em meados dos anos 90 esteve em curso uma grande revolução na educação oficial para jovens e crianças em nosso país. Ainda que sua fundamentação teórica tenha sido fortemente consistente e substanciada nos altos escalões da gestão educacional oficial, no âmbito federativo, a implementação prática das propostas, sugestões e imposições nas redes públicas estaduais e municipais confrontou com uma realidade imbatível em sua obstinação pela inação, particularmente pela incapacidade ou inabilidade das instâncias gestoras governamentais de conquistar corações e mentes dos professores, e principalmente, de promover uma revolução paralela na formação dos novos professores e na re-capacitação dos atuais. Assim, com resultados bastante significativos sob aspectos quantitativos, mas pífios quanto à qualidade, a revolução educacional da segunda metade dos anos 90, deixou como legado para o terceiro milênio, além de uma “herança bendita” pela inclusão de milhões de jovens nos cursos fundamentais, problemas complexos.
saiba mais

OS ECLIPSES

por Renato da Silva Oliveira Desde os tempos em que eu lecionei no curso de Astronomia para Principiantes na Escola Municipal de Astrofísica  —  como auxiliar do Prof. Acácio Riberi, na primeira metade dos anos 80 — tive que gerar muitas imagens esquemáticas e textos explicativos sobre tópicos da Astronomia. O Prof. Acácio costumava dividir as aulas em duas partes: na primeira, ele explanava magistralmente, de maneira fluida, sobre o assunto em pauta; na segunda, deixava para mim os detalhes mais maçantes e alguma operacionalização de conceitos. Além disso, fora dos horários do curso, os alunos podiam tirar dúvidas comigo, o que me forçou a desenvolver alguns recursos didáticos, não por talento e iniciativa pessoal, mas por necessidade mesmo. Este texto sobre os eclipses contém uma síntese desse material, reconfigurado em 2002 para um curso de astronomia para professores do Ensino Médio.   Um Pouco de História Eclipses são fenômenos.
saiba mais

A ESTRANHA DESCOBERTA DA AUSTRÁLIA

por Pierluigi Piazzi     Logo depois da Lua Nova, quando vemos apenas uma finíssima foice iluminada, uma observação mais atenta nos leva a uma descoberta interessante. Se você prestar bastante atenção verá que, apesar da luz do Sol iluminar a Lua meio na contra-luz (tanto é que só uma fina foice brilhante aparece do nosso lado) o restante de seu disco é fracamente visível. Se um astronauta estivesse na superfície da Lua em algum ponto da foice iluminada pela luz direta do Sol, diria que é dia. Se estivesse do lado escuro diria que é noite.   Mas… de onde vem a luz que ilumina fracamente o lado escuro? Antigamente havia pessoas que pensavam que a Lua fosse uma gigantesca bola de vidro semi-transparente e que a luz fraca do lado noturno nada mais era que a luz do Sol passando através do “vidro”. O grande gênio do renascimento,.
saiba mais

ROMILDO PÓVOA FARIA — in memorian

por Renato da Silva Oliveira   Um texto sobre o meu “amigo de copo e de cruz”, gerado sob muitas e muitas e muitas lágrimas… em 21 de abril de 2009… Triste sina a dos que sobrevivem aos amigos…     Nós somos fundamentalmente as nossas memórias — mesmo e também aquelas que são processadas não racionalmente, as memórias emocionais — mas somos fundamentalmente as nossas memórias. Hoje, de certa maneira, uma parte de mim mesmo está morta. Uma extensão corpórea e material da minha memória, ainda que sem continuidade com meu próprio corpo, deixou de existir. Lembro que, em inúmeras vezes ao longo dos últimos 30 anos, fui lembrado por um amigo — o mais leal dos amigos que eu já tive e que, provavelmente, possa vir a ter — de inúmeros fatos e situações em que eu estive envolvido mas dos quais eu mesmo não lembrava com clareza. É um.
saiba mais

Crux Australis — O Cruzeiro do Sul

por Renato da Silva Oliveira A constelação Cruzeiro do Sul é uma das mais conhecidas, principalmente para os habitantes do hemisfério Sul da Terra e particularmente para nós, brasileiros. Este texto surgiu como sub-produto da elaboração de uma apresentação para o Planetário, no ano 2000, onde  abordava-se o Descobrimento do Brasil e mostrava-se o céu de 1500, contemplado pelos navegadores ibéricos ao se aventurarem  ao Sul do Equador. Presente no brasão das Armas Nacionais, no emblema do Exército e na Bandeira Nacional do Brasil , a constelação Cruzeiro do Sul — a Cruz Austral — está entre os símbolos mais conhecidos e mais usados pelos povos que habitam o hemisfério Sul da Terra.   Bandeira Nacional do Brasil, onde o Cruzeiro do Sul destaca-se no centro. Ele é representado, também,  na bandeira do Estado do Paraná e no pavilhão de mais 4 países — Austrália, Nova Zelândia, Papua-Nova Guiné e Samoa.
saiba mais